Desde os primórdios da Humanidade, a vida sempre intrigou os seres humanos, com perguntas como: De onde eu vim? Para onde vou? Por que estou aqui? Quem eu sou, afinal? No entanto, a partir da Doutrina Espírita, ou seja, com todo um conteúdo trazido pelos espíritos superiores mediante a decodificação feita por Allan Kardec, as pessoas conseguem encontrar respostas e olhar para a vida de um modo novo. Conseguem identificar no dia a dia e na arte significados ligados ao Espiritismo. E isso ocorre com relação a “Star Wars” (“Guerra nas Estrelas”), um clássico do cinema.

Essa relação foi exposta pelo trabalhador espirita João Paulo Barros, 21 anos, estudante de Administração, na reunião dos evangelizandos jovens da Evangelização Infantojuvenil do Lar de Maria no dia 25 de julho. O encontro foi coordenado pelo evangelizador Luciano Simões, que também forneceu dados acerca de aspectos da Doutrina em outras expressões da cultura pop.

Princípios


Após ter sido lançado em 1977, “Star Wars” nunca mais saiu de cartaz. Não apenas pelos episódios que se seguem contando a saga dos personagens, mas também pela descoberta da obra por gente que nasceu (reencarnou) bem depois que Lukas Skywalker, Leia Organa, Darth Vader, Hans Solo, mestre Yoda e outros nomes do filme passaram a fazer parte da vida de milhares de fãs no mundo.


Um desses fãs é João Paulo Barros, frequentador do Lar de Maria “desde sempre” . “Meus pais já são trabalhadores da casa antes mesmo de eu nascer”, diz. E foi João Paulo quem deu o recado sobre pontos em comum de “Star Wars” com a Doutrina Espírita. “ ‘Star Wars’ carrega muitos princípios espiritualistas que coincidem com o Espiritismo, como a mediunidade, vida pós a morte, pluralidade dos mundos habitados, questões morais e intelectuais, criação do espírito, conflito do bem e o mal, sintonia e energia”, destaca.

Nessa relação, chamam a atenção de João Paulo “a pluralidade dos mundos habitados e o modo que diferentes povos de diferentes planetas conseguem interagir e conviver, algo ainda distante para nós nesse plano”. “E também como o desenvolvimento intelectual não necessariamente acompanha o desenvolvimento moral, em que diversos personagens que contam com vários recursos tecnológicos avançados apresentam uma moral distante do bem coletivo”, ressalta.

Descobertas

Para ele, o sucesso do filme pode ser atribuído à “chegada do novo e do diferente”. “ ‘Star Wars” vem em uma época que não temos esse tipo de história no mundo cinematográfico, além dos recursos tecnológicos de efeitos especiais nunca vistos antes. Então, creio que essa possibilidade de enxergar o desconhecido seja o que atrai muitos fãs”.


João Paulo conta que foi apresentado à saga dos personagens por seu pai. E discussões sobre a relação do filme com a Doutrina Espírita eram feitas dentro das conversas da família, inclusive, na prática do Evangelho no Lar, momento de integração dos núcleos familiares. “Depois que fui me aprofundando nos estudos, consegui perceber cada vez mais pontos de ligação. Eu me senti bem em poder explorar tudo que eu aprendi em coisas do meu dia a dia; mudou bastante a minha forma de ver o filme e toda a sua filosofia”.


Kardec nos convidou a divulgar a doutrina para todo o mundo, utilizando os recursos que tivermos, o próprio Cristo nos disse “Ide e pregai!”, e existem diversas formas de pregar a sua lei de amor e os princípios de seu Consolador Prometido. Fazer com que o mundo entendo o Espiritismo na cultura pop é aproximar o mundo do próprio Espiritismo, além de proporcionar a identificação para pessoas que já estão no Movimento”, pontua João.

A Força

Sobre um dos aspectos centrais de “Star Wars”, João Paulo evidencia: “A Força nada mais é do que o próprio fluído cósmico universal e a capacidade do espírito de utilizá-lo e moldá-lo de acordo com o seu nível evolutivo. Podemos entender a Força também como o nosso ponto de ligação com Deus e com nosso irmão Jesus, uma personificação da própria fé”.


Um fato interessante nesse encontro dos jovens do Lar de Maria: quando “Star Wars” chegou às telas de cinema, trazendo recursos tecnológicos de ponta na chamada “Sétima Arte”, a Internet não estava em funcionamento. No entanto, em 2020, em plena pandemia da covid-19, em que as ações do Movimento Espírita são viabilizadas, em grande parte, por meio da tecnologia, ou seja, a rede de computadores, em lives e reuniões, a arte serve de convite para se conhecer ou aprofundar conhecimentos sobre os ensinamentos de Jesus, esclarecidos e valorizados pela Doutrina Espírita.



Doutrina Espírita: uma nova visão da vida

1+